Archive for the ‘ Bernard Cornwell ’ Category

“galeses eram anões que peidavam repolho; escoceses eram miseráveis lambedores de cu, e franceses eram uns merdas secas”

Azincourt é um dos mais novos livros traduzidos de Bernard Cornwell, e faz jus ao nome do autor. Não o poria entre meus favoritos, mas é excelente – especialmente se você gostou da trilogia do Graal (O arqueiro – O andarilho – O herege). Estamos de novo na linda, sangrenta e fedorenta guerra dos 100 anos e temos novamente um protagonista arqueiro.

O livro conta a história da batalha de (advinhem) azincourt, que foi eternizada por Shakeaspere na peça, Henrique V. Mesmo com uma proporção altíssima de bastardos franceses para ingleses, com a doença,  com exército cansado e em terreno francês, a Inglaterra ganhou, e foi uma grande vitória. De fato, o resultado de Azincourt não alterou em nada (ou em pouca coisa) os rumos da guerra, porém imaginem como elevou a moral do exército inglês.

É isso que Cornwell se propõe a contar e, sendo Cornwell, faz isso divinamente. As descrições dele sempre são primorosas e cruas, sem idealizações, como já disse.  Porém o realismo que vemos em Azincourt impressiona. A precisão que ele dá aos números de dois lados, a descrição do terreno, a quantidade de flechas. Tem tudo. São muitas páginas só da batalha propriamente dita, mas muitas mesmo. No mínimo 30. O valor do livro se estabelece principalmente aí, na narrativa muito próxima a realidade. Mesmo o nome dos arqueiros ele tirou de uma lista. Perfeito.

Continue lendo

Anúncios

Wyrd bið ful arcæd

Antes de falar qualquer coisa sobre as crônicas saxônicas, sinto-me na obrigação de falar sobre Bernard Cornwell, seu escritor, e de suas obras no geral.

Cornwell escreve os chamados romances históricos, ou seja, são ficção, porém têm como plano de fundo acontecimentos reais. E ele costura isso divinamente, criando enredos maravilhosos sem alterar o curso da história (ele chega a mudar sim, alguns detalhes – poucos – mas ele diz o que saiu da sua cabeça, o que é confirmado e o que não é na nota histórica, sempre presente no final do livro). Suas descrições de batalha são as melhores que já vi, extremamente detalhadas e realistas (nada de batalhas limpas e idealizadas); páginas a fio de sangue, merda, paredes de escudo, fuzis, arcos ou o que quer que seja, lindo de se ver! Aprendi um bocado sobre história e batalhas com ele. E o humor dele é… isso merece um trecho ilustrativo:

“— Lembre-me porque você foi feito fora da lei, Hook.
— Porque bati em um padre, Sir John — admitiu Hook.
[…]
— Você fez mal, Hook, Fez muito mal. Não devia ter batido nele.
— Sim, Sir John — disse Hook humildemente.
— Devia ter aberto as tripas pútridas daquele desgraçado e arrancado o coração dele pelo cu fedorento.” (Azincourt)

É daí para baixo, você ri muito (e aviso que nas saxônicas temos muito humor) xD

Continue lendo