Archive for the ‘ Tolkien ’ Category

“Alas! It is ill to walk in my shadow! Why did I seek aid? For now you are alone, O Master of Doom, as you should have known it must be.”

The Children of Húrin é o mais recente livro publicado de Tolkien… Espere, isso merece uma explicação. Recente?! Há inúmeras anotações inéditas que Tolkien deixou. Nosso querido, louvado, Christopher Tolkien pegou a bagunça toda, foi juntando os pedaços e tchrãns! Eis o livro novo de um autor morto há tempos. Agradeçam-no!

Voltando ao livro… Húrin Thalion era um grandioso guerreiro que foi capturado por servos de Melkor na Nirnaeth Arnoediad, batalha das lágrimas incontáveis. Por não revelar a localização de Gondolin (e, assim, trair seus amigos) ao Senhor do Escuro, ele e sua família recebem uma maldição. Túrin e Niënor, seus filhos, crescem, vivem e morrem sob esta sombra. O livro então nos trás este conto: o de Túrin Turambar e sua sina. Fadado ao fracasso e a morte em tudo que fez e, apesar disso, senhor de alguns dos maiores feitos dos homens. É uma história triste. Fala de destino, poder e (por que não?) MUITO azar. Continue lendo

“Não jure que caminhará no escuro aquele que não viu o cair da noite”

Para mim é muito difícil falar sobre O senhor dos Anéis. Por mais que leia e releia, não me canso – pelo contrário – meu fascínio aumenta. Aproximo-me mais de cada personagem, entendo-os mais, o que eles representam,  me emociono com a história. Arrepio-me. Essa resenha será uma declaração de amor por um autor que me acompanha há algum tempo e cuja obra sempre me encantará (não tenho medo de usar o sempre, neste caso). É por isso que é tão difícil, entendem? Ela me envolve demais. E é por isso que não escreverei apenas uma resenha para a série toda, como costumo. Cada livro terá a sua.

O senhor dos anéis conta história da demanda para destruir O Um Anel. Ele foi achado por Bilbo Bolseiro – tio de Frodo e um hobbit inusitado, aventureiro – na caverna de Gollum (falarei dele mais tarde). A principio ele é visto como um anel mágico, que deixa quem o usa invisível. Algo extraordinário, mas apenas isso. Gandalf, o cinzento, é quem descobre que aquele anel não é nem de longe um ‘simples’ anel mágico. É O um Anel. Anel onde Sauron, o senhor do escuro, pôs parte do seu poder; Anel que este perdeu e que ficou desaparecido na escuridão das montanhas até que Bilbo o achasse; Anel que, se voltar às mãos do senhor do escuro, tornará Mordor inexpugnável e selará o destino de todas as raças livres da terra média; Anel que só pode ser destruído pelo fogo que o criou, nas forjas da Montanha da perdição, no coração das terras de Sauron, sob os olhos da Barad-dûr, a torre escura.

Essa então não é, de longe, uma tarefa fácil. Continue lendo

“Ele entoou uma canção de magia…”

Quem já ouviu falar de Tolkien lembra do senhor dos anéis, mas quem gosta de Tolkien sabe que a menina dos seus olhos era o Silmarillion. De fato, depois do sucesso d’O hobbit a idéia não era criar uma continuação para ele (no caso, O senhor dos anéis) e sim publicar “The Book of Lost Tales”, como inicialmente Tolkien chamou a história das Silmarills.

Isso lhe foi negado, já que seu editor, George Allen & Unwin, o considerou “muito obscuro e demasiadamente celta”. Só foi ser publicado postumamente, costurando as anotações do professor, já que ele nunca o terminou verdadeiramente (os primeiros rascunhos datam de 1925).

Seus editores estavam certos em uma coisa: O Silmarillion não é um livro comercial. De forma alguma. É a obra mais complexa de Tolkien e eu não indico para alguém que nunca leu nada dele. No começo você se perde em uma enxurrada de nomes e personagens que você não conhece. Mas principalmente nomes. Quem já leu o senhor dos anéis sabe que Gandalf tem zilhões de nomes. Imagine agora os deuses. muitos, muitos. Ele também não é um livro rápido. Se tem gente que reclama do ritmo da trilogia do anel, não toque no silmarillion. Ele é a bíblia dos elfos, por assim dizer. É preciso fôlego – pelo menos eu acho isso.

Ele conta basicamente cinco histórias (todas anteriores a Frodo, Bilbo, etc, etc):

Continue lendo