Satisfação

Fiz esse post pra justificar, pra dar uma satisfação aos leitores(as)(animais)(vegetais).

Esse ano para mim é um ano decisivo: o do vestibular. Sendo assim, preciso estudar… no primeiro semestre não o fiz vigorosamente, acumulei assunto… agora tento tirar a diferença estudando quase todo o tempo que tenho. Quando não estudo, descanso para dormir ou para marcar algo para o final de semana. Não, não quero parar de postar; mas o ritmo diminuirá progressivamente…

Anúncios

Hot Tub Time Machine (2010)

Antes de tudo, vou expressar minha revolta: de onde que esses tradutores tiram os nomes de filmes? Como que Hot Tub Time Machine virou “A Ressaca”? Pronto, expressei. E um aviso também, mini post à vista.

O filme conta a história de 4 homens – em suma, todos fracassados – que viajam para um resort de esqui onde 3 deles passaram momentos da juventude. Depois de uma noite de bebedeira, surpreendentemente acordam no ano de 1986, e descobrem que a banheira do hotel é na verdade uma máquina do tempo! Essa é a chance que eles têm de consertar o passado.

[Resenha a seguir]

Continue lendo

21ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo

 A Bienal do Livro 2010 é o terceiro maior evento do gênero do mundo (o espaço é correspondente a oito campos de futebol, que eu lembre) – as duas consideradas maiores  são a Feira do Livro de Frankfurt e a Feira Internacional do Livro de Turim. Ela chega, em 2010, na sua 21ª edição. Terá a programação focada em quatro temas principais, Livro digital; Lusofonia; Clarice Lispector; e Monteiro Lobato.

Marcada para ocorrer entre os dias 12 e 22 de agosto (o dia 12 é exclusivo para profissionais da área) das 10h às 22h, a 21ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo vai acontecer no Pavilhão de Exposições do Anhembi (endereço no fim do post) .  Continue lendo

“Sou a terra e os ossos dos morros. Sou o inverno.”

Não considerarei spoiller os fatos mais gerais da história do Cã, por que teria que parar para avisar muitas vezes. Seria como considerar spoiller dizer que Brutus traiu César, entendem? Se quiserem ir pra série sem saber nada (o que respeito), sugiro que não leiam, mas para quem vá leu os dois primeiros volumes isso não será problema. Bem, estão avisados.

A série O Conquistador (Conn Iggulden) conta-nos a história de Genghis Khan. E, meu Deus, que história! Acho que foi a personalidade que mais me impressionou, sinceramente. É absurdo, ao ponto de você imaginar até que ponto isso é verdadeiro. Que César e Napoleão me desculpem.

Vale a pena você conhecer, mesmo que não queira ler a série de Iggulden (até agora três livros), então vou tentar resumi-la para vocês. Temujin – seu nome de infância – nasceu na Mongólia, por volta da década de 1160. Neste tempo aquela terra era povoada por tribos rivais entre si, que viviam se engalfinhando. Cada uma era governada por um Cã. E filho de Cã, Temijin era. Certo dia seu pai, Yesuguei, é envenenado e morre. Como seus filhos poderiam reinvidicar o comando, o novo Cã deixa-os para morrer nas estepes sem gado, cavalos ou comida. E é assim, passando fome e contando apenas com o carisma que surge o homem que conquistou um território duas vezes maior que o império romano. Continue lendo

O Vôo da Coruja (Cry of the Owl – 2009)

O jovem Robert (Paddy Considine) muda-se para uma pequena cidade. Lá encontra uma pausa para observar secretamente o dia a dia de sua vizinha Jenne (Julia Stiles). Ao perceber que está sendo observada, Jenne sente uma estranha atração e curiosidade, então convida Robert para entrar em sua casa, e iniciam uma relação, que para ele trará consequências devastadoras. Ao ser surpreendido pelo ex-namorado ciumento de Jenne, iniciam uma briga que deixa Robert ferido e inconsciente, ao acordar descobre que é o principal suspeito de um assassinato e agora terá que provar sua inocência.*

Continue lendo

Uma breve história sobre o Stoner Rock

Caro leitor(a)/animal/vegetal/mineral/vírus/molécula/íon/…

ok

Cara energia,

deve agora estar se perguntando o que é stoner rock, né? Isso acontece porque é um gênero relativamente novo e com poucos representantes ativos… notavelmente o “Queens of the Stone Age”. Agora vamos à sua origem:

Há muito tempo atrás, numa galáxia muito distante Fim dos anos 80 nos estados unidos… finalmente o new wave está dando seus passos finais. Num cenário das festas no deserto chamadas de “generator parties”, pois o som era energizado por geradores movidos à gasolina, surge uma banda diferente, cujo guitarrista estranhamente plugava sua guitarra num amplificador pra contrabaixo, produzindo assim um som mais grave… essa banda se chamava Sons Of Kyuss. Seu som tinha influências do punk rock e do heavy metal, mas era algo difereeente. Seu primeiro álbum, Sons Of Kyuss recebeu ótimas críticas e vendas.

A partir do segundo álbum, “Wretch”, que teve péssimas críticas e vendas, a banda adotou como nome apenas “Kyuss”. O álbum seguinte foi o de maior sucesso comercial e crítico: Blues for the Red Sun, com maior maturidade, mais experimental e ousado, definindo o Stoner Rock. A banda estava em seu auge. Lançou daí o lindamente fodástico Welcome To Sky Valley. Depois lança o fracasso de vendas e público, experimental, “… And The Circus Leaves Town”. A banda se desintegra, e de suas cinzas surgem Queens of the Stone Age, Hermano, Che e Mondo Generator.

E então a história anda, Queens of the Stone Age lança álbuns conceituados e tem sucesso comercialmente, e espero que eles venham pro “Planeta Terra” em 2010. Fim

“Alas! It is ill to walk in my shadow! Why did I seek aid? For now you are alone, O Master of Doom, as you should have known it must be.”

The Children of Húrin é o mais recente livro publicado de Tolkien… Espere, isso merece uma explicação. Recente?! Há inúmeras anotações inéditas que Tolkien deixou. Nosso querido, louvado, Christopher Tolkien pegou a bagunça toda, foi juntando os pedaços e tchrãns! Eis o livro novo de um autor morto há tempos. Agradeçam-no!

Voltando ao livro… Húrin Thalion era um grandioso guerreiro que foi capturado por servos de Melkor na Nirnaeth Arnoediad, batalha das lágrimas incontáveis. Por não revelar a localização de Gondolin (e, assim, trair seus amigos) ao Senhor do Escuro, ele e sua família recebem uma maldição. Túrin e Niënor, seus filhos, crescem, vivem e morrem sob esta sombra. O livro então nos trás este conto: o de Túrin Turambar e sua sina. Fadado ao fracasso e a morte em tudo que fez e, apesar disso, senhor de alguns dos maiores feitos dos homens. É uma história triste. Fala de destino, poder e (por que não?) MUITO azar. Continue lendo