Posts Tagged ‘ triste ’

“Alas! It is ill to walk in my shadow! Why did I seek aid? For now you are alone, O Master of Doom, as you should have known it must be.”

The Children of Húrin é o mais recente livro publicado de Tolkien… Espere, isso merece uma explicação. Recente?! Há inúmeras anotações inéditas que Tolkien deixou. Nosso querido, louvado, Christopher Tolkien pegou a bagunça toda, foi juntando os pedaços e tchrãns! Eis o livro novo de um autor morto há tempos. Agradeçam-no!

Voltando ao livro… Húrin Thalion era um grandioso guerreiro que foi capturado por servos de Melkor na Nirnaeth Arnoediad, batalha das lágrimas incontáveis. Por não revelar a localização de Gondolin (e, assim, trair seus amigos) ao Senhor do Escuro, ele e sua família recebem uma maldição. Túrin e Niënor, seus filhos, crescem, vivem e morrem sob esta sombra. O livro então nos trás este conto: o de Túrin Turambar e sua sina. Fadado ao fracasso e a morte em tudo que fez e, apesar disso, senhor de alguns dos maiores feitos dos homens. É uma história triste. Fala de destino, poder e (por que não?) MUITO azar. Continue lendo

“Quando a morte conta uma história, você deve parar para ler”.

Confesso que não colocava muita fé n’A menina que roubava livros.

Um motivo: não confio em mega best-sellers. Besteira, mas é como se eu esperasse que, por ser um best-seller, ele cairá em milhões de clichês, terá personagens aguados, enredo previsível. Me fará ler com avidez? Sim, terminarei rápido, entrarei na história, chorarei, comentarei bem depois e tudo mais. Porém – assim que fechar o livro – terei a impressão que não levei muito dele, fui obscura? É como se fosse uma daquelas comidas instantâneas. São gostosas, mas falta algo nelas, algo que encontramos naqueles pratos preparados com receitas por nós mesmos, sabem?

Outro perigo para mim é o período em que o livro se passa: segunda guerra mundial. Épocas funestas são solo fértil para ótimos livros, mas geralmente, com este punhado, vem um bocado que não vale o papel impresso

Essas duas coisas me impediam de sentir atração pelo livro, no entanto, ouvi alguns elogios de pessoas confiáveis que me fizeram dá uma chance para ele. Obrigada pessoas confiáveis! Se estes também forem seus medos, desconsidere-os. Ou mantenha-os e leia, eu me surpreendi. Continue lendo